Filtros para Google Analytics

Filtros para Analytics: Mais Qualidade e Precisão para Métricas

O Google Analytics é tão versátil e flexível que às vezes "monitora até demais." Aprenda a usar e ative esses filtros úteis para aumentar a qualidade das suas análises com métricas mais precisas.

Ainda não é Assinante?

Já sou assinante!

Filtros para o Google Analytics

Após iniciar o monitoramento e aprender a usar o Google Analytics e seus vários relatórios, você passa a observar diversas anomalias, ou seja, dados e métricas que parecem estar em desacordo.

De fato, como o Analytics é uma ferramenta que busca o monitoramento máximo e de contexto geral, ele é projetado para rastrear dezenas e dezenas de fatores diferentes, o qual geram métricas, e em muitos casos, as métricas são operadas umas sobre as outras para gerar mais métrica ainda.

Além de todo esse trabalho interno e automático, muito do rastreamento que acontece pode ser influenciado externamente, ou seja, nós podemos aplicar configurações extras, usar parâmetros UTM e fazer modificações diversas sobre como o monitoramento vai funcionar para o site.

Para não mencionar bots ou spam, que de quando em quando “atacam” o seu site e conforme sejam, influenciam os dados que a ferramenta registra.

Todo esse somatório de eventos, ocasionalmente, afeta as informações nos relatórios e elas ficam parecendo estar um pouco fora de lugar.

Por que se preocupar em criar os filtros?

No caso geral, os problemas momentâneos raramente afetam todo o site. Por exemplo, bots que fazem o rastreamento do site 1 vez, ou durante 1 semana ou mês, e depois desaparecem.

Mesmo para um site pequeno, com pouco tráfego e conversões, essa participação de bots ou spam no tráfego total do site costuma ser muito pequena, inferior a 1% do total de sessões e visitantes.

Neste cenário, mesmo que aconteça, esse “tráfego sujo” não terá força para influenciar as decisões em suas análises, veja bem: Dificilmente esse 1% iria te motivar a fazer uma mudança drástica nas estratégias que usa no marketing digital. Faz sentido?

Por outro lado, seja por bots, spam ou outras situações, se o tráfego sujo alcança proporções significativas: 30%, 40% ou mais, aí ele pode provocar decisões erradas, ou até mesmo esconder uma mudança necessária (a análise do remanescente 50%, 60% pode não influenciar uma mudança de ações que fosse oportuna ou necessária).

Principalmente por isso, faz sentido investigar o Google Analytics e até mesmo fazer configurações preventivas para não ter problemas na qualidade dos dados em relatórios.

Uma vez registrados os dados, não é possível revisar e modificar. É essencial monitorar corretamente de primeira.

Entre as opções para aumentar a qualidade das métricas no Analytics está a criação de filtros, que permitem modificar como a ferramenta vai registrar determinada informação, limpando o tráfego sujo, ou até mesmo evitar completamente que o tráfego sujo seja registrado.

Quais filtros criar no Analytics?

Conforme seja o fluxo de desenvolvimento do site, do marketing e até o quanto o seu site é “atacado” por bots e spam, um filtro ou outro pode ser mais impactante.

Contra bots e spam, a opção é óbvia em buscar a exclusão desse tráfego sujo. Novamente, mesmo que seja um pequeno percentual, se por acaso isso escalar e crescer em volume, com uma mecânica de limpar ou bloquear o registro desses dados já em vigência, ele jamais impactará suas análises.

O desenvolvimento do marketing digital pode trazer diferenças mais sutis para o monitoramento. Enquanto você pode facilmente controlar os UTMs para emails, campanhas de mídia paga ou em outras ações, provavelmente também vai existir o tráfego orgânico.

Tráfego esse que “você não pediu para receber,” mas chega ao site mesmo assim com as pessoas compartilhando conteúdo com seus contatos via redes sociais, email ou mensagens. Esse tráfego vai chegar ao site, provavelmente, sem UTMs e, conforme seja a origem da visita, o registro no Analytics pode ficar deslocado.

Por isso, filtros para posicionar tráfego de webmail, redes sociais e afins, precisam ser aplicados ao Analytics.

Outro caso que geralmente passa desapercebido é o chamado tráfego interno: o rastreamento de sessões no site que tem origem com o próprio time. Seja desenvolvimento, vendas ou suporte ao cliente.

Mais uma vez: conforme seja o volume desse tráfego interno, ele pode influenciar negativamente a análise dos resultados alcançados com o marketing digital.

Veja como criar filtros no Analytics para cada um desses casos e outros mais na Academia de Marketing Digital.

Acesse e comece hoje mesmo a corrigir e limpar o tráfego monitorado para você obter métricas de mais qualidade, conseguir análises mais impactantes e alavancar os resultados com o site.

Ainda não é Assinante?

Já sou assinante!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *